Confronto e empoderamento: Expressões de Saturno & Lilith em Capricórnio III

Possibilidades de empoderamento ou confronto?

Como destacamos na postagem anterior, a relação entre as energias de Saturno e Lilith, especialmente quando combinadas em Capricórnio, pode dar origem a um processo de integração consciente de aspectos duais do inconsciente. O ponto essencial é a necessidade de aceitação consciente da sombra, em suas faces feminina e masculina, para que as características sejam totalmente integradas à psique e possam constituir o sujeito em sua totalidade. Provavelmente, essa integração foi amplificada enquanto os dois estiveram transitando por Capricórnio.

Se Capricórnio representa o cume da montanha, a realização social e material no mundo, a presença de dois arquétipos da sombra nesse signo podem ter ativado essa energia no nível inconsciente coletivo. Não por outro motivo, polêmicas sobre temáticas femininas e feministas, bem como a discussão entre os que naturalizam diferenças e os que pregam igualdade entre homens e mulheres foram comuns no período. As estruturas capricornianas – especialmente sociais e políticas – ainda estão sofrendo o impacto das reformas propostas por Saturno e por Lilith, que já se encontra em Aquário e pode dar voz a novos ideais de organização social.

black block
Lilith em Aquário representa novas possibilidades de organização social ou apenas rebeldia contra as velhas estruturas?

Analiso agora três casos paradigmáticos dessa temática, ocorridos em 2018.

Irlanda – Referendo popular

O primeiro deles é a aprovação popular do direito ao aborto na Irlanda, em 26 de maio de 2018, por meio de um referendo que alcançou mais de 60% de votos favoráveis. De tradição católica forte, o país discutia há anos a questão, e a partir da mobilização conjunta de dezenas de entidades e movimentos sociais ligados ao tema, finalmente a aprovação do aborto foi consubstanciada em uma decisão política formal – em forma de autoridade, portanto. Nesse exemplo, vê-se a força criativa do feminino que não aceita se submeter a uma autoridade externa ao seu próprio corpo conseguindo quebrar a rigidez e o autoritarismo saturnino baseado na tradição e nas instituições profundamente patriarcais que são a Igreja Católica, a Justiça e o Parlamento.

astro_2gw_ireland_abortion

No mapa do referendo, que considera o horário de divulgação do resultado, em Dublin (18h17), Plutão (21°01’ de Capricórnio) está conjunto com Lilith (22°04’) na Casa III, onde também estão Saturno (8°00 de Capricórnio) e Marte (3°46’ de Aquário). Percebe-se, portanto, que a insubordinação e capacidade criativa de Lilith foram direcionadas para finalidades pragmáticas e coletivas pelas energias plutonianas e saturninas, muito relacionadas a pulsões inconscientes e a temas considerados tabus sociais. Saturno está em oposição quase exata a Vênus (8°33’ de Câncer) na Casa IX, indicando que valores conectados ao feminino podem alcançar a esfera política e filosófica, e as próprias instituições, que acabam influenciadas por uma visão de mundo a partir de uma ótica de autonomia das mulheres.

Um ponto interessante é que a campanha a favor do direito de aborto ressaltou os depoimentos de mulheres que passaram pela experiência de forma traumática. A discussão foi estimulada por um recente caso de morte de uma adolescente de 17 anos, impedida pela Justiça daquele país de realizar o aborto. Vênus em Câncer na Casa IX provavelmente enfatizou o discurso da empatia e do cuidado que se opõe ao preconceito contra mulheres que sofrem o aborto, assim como Saturno contribuiu para a formalização legal da opinião pública, enquanto o Marte aquariano na Casa III auxiliou na comunicação eficiente de novos valores para o coletivo. A Lua (1°57’ de Escorpião) conjunta com o ASC (2º23’) e em oposição a Urano (0°34” de Touro) também mostra a força da autonomia feminina e da decisão sobre o próprio corpo como instrumento de mudança profunda nos rumos sociais.

Argentina – Decisão legislativa

O segundo caso analisado é a aprovação, pela Câmara dos Deputados argentina, do projeto que legaliza o aborto naquele país, em 14 de junho. Depois de 23 horas de sessão, a proposta foi aprovada por 129 votos a favor, 125 contra e uma abstenção. Desses votos, 50 deputadas argentinas votaram a favor e 49 contra, o que mostra a divisão de opinião sobre o assunto. No momento da aprovação, milhares de mulheres comemoraram a decisão nas ruas de Buenos Aires.

astro_24gw_aborto_camara_argentina

O mapa analisado é o do momento em que a decisão foi proferida (9h52), com a apuração dos votos dos parlamentares. Ao contrário do caso irlandês, na Argentina foram os legisladores os responsáveis pela aprovação. Plutão (20°40’ de Capricórnio) continuava conjunto a Lilith (24°09’), mas dessa vez ambos se somaram ao DC (19°31’ de Capricórnio) para enfatizar o peso do outro nas decisões individuais, revelado pelos votos masculinos que definiram a votação. Marte em Aquário na Casa VII (8°18’) indica que o momento de ação era aquele, e a comemoração presencial das milhares de mulheres mostra a materialização corporal, em forma de multidão, da autonomia feminina. Saturno posicionado na Casa VI (6°48’ de Capricórnio) revela que o processo de construção da proposta pela Casa Legislativa, que durou 13 anos, foi longo, trabalhoso e demandou esforço dos envolvidos na decisão.

Destaca-se ainda a oposição de Lua e Mercúrio, conjuntos em Câncer na Casa XII (3°28’ e 3°33’, respectivamente), a Saturno. Emoção e racionalidade, afetos e capacidade de comunicação se conjugam em uma deliberação pragmática que envolve e traz à tona diferentes aspectos e traumas do inconsciente coletivo, entre eles a memória sobre a adoção de filhos de militantes assassinados durante a Ditadura por militares.

A proposta foi rejeitada, contudo, pelo Senado argentino no dia 8 de agosto, quando Lilith estava a 0°20’ de Aquário, conjunta com Marte retrógrado a 0°47’, na Casa VIII. No momento da decisão, Saturno (3°10’) e Plutão (19°22’) também estavam retrógrados em Capricórnio, Saturno na Casa VII. Plutão fazia oposição à Lua canceriana (16°02’) na Casa II. Destaque para o Mercúrio casimi retrógrado a 16°20’ de Leão, enquanto o Sol leonino estava no grau 16°37’, ambos na Casa III, em quincuce com Netuno retrógrado a 15°5’ de Peixes, conjunto com o MC (18°18’ de Peixes). Resumidamente, parece que a racionalidade, a comunicação e os valores do feminino foram eclipsados pela autoridade e um retorno à tradição. Pode ter havido alguma ilusão e/ou desilusão sobre a política e a rebeldia aquariana de Lilith certamente pareceu ameaçadora ou demasiadamente original para a maior parcela dos senadores argentinos, em um movimento que podemos considerar alinhado à retrogradação dos planetas pessoais (Marte e Mercúrio) e transpessoais (Urano, Netuno e Plutão).

Brasil – Assassinato político?

O terceiro caso analisado, ocorreu em 14 de março de 2018 no Rio de Janeiro e traz a ameaça à autoridade feminina e ao reconhecimento público direcionado a mulheres proeminentes no cenário nacional. Trata-se do assassinato da vereadora Marielle Franco.

Aqui, percebe-se a sombra manifestando-se em toda a sua força, com o silenciamento de uma voz discordante e tradicionalmente relegada a uma posição de inferioridade social que obteve reconhecimento na vida política, um espaço tradicionalmente e majoritariamente ocupado por homens. A negação da proeminência e do status público de autoridade a uma mulher negra – isto é, duplamente estigmatizada – se faz por meio da maior violência passível de ser sofrida por um ser humano: o assassinato.

O mapa do momento do crime, estimado às 21h30, traz Saturno (8°13’), Lilith (14°00’) e Plutão (20°55’) posicionados em Capricórnio. Saturno e Lilith estão na Casa II, acompanhados de Marte em Sagitário (28°28’). O mapa como um todo aponta para a inconsciência das energias planetárias, visto que quase todos os planetas estão abaixo da linha do horizonte, com exceção de Júpiter, no ASC.

astro_2gw_morte_marielle

Plutão já está na Casa III, e merece destaque a visibilidade mundial desse crime, que levou a reações de organismos e governos estrangeiros pela investigação e punição dos culpados. Violência contra a mulher e feminicídio são questões presentes no cotidiano de vários países, especialmente no Brasil, há séculos. Não há novidade alguma nisso. Porém, acredito que este exemplo MATERIALIZA o tabu de Lilith de forma tão veemente e aguda que a repercussão mundial é mais do que justificada. Contribui para essa interpretação o fato de que o Nodo Norte está conjunto ao MC em Leão (14°30’ e 14°24’, respectivamente). Talvez o único aprendizado coletivo de um fato terrível como esse seja a repercussão pública que pode motivar alguma mudança social, como o aumento do número de candidaturas femininas nas eleições de 2018 e a visibilidade da pequena presença feminina na política nacional.

Não por outro motivo, aliás, as reações persecutórias e difamatórias contra a vítima permaneceram nas redes sociais e nos espaços de opinião pública por vários dias após a sua morte. A reação do arquétipo de sombra de Saturno (Casa II) e Plutão (Casa III) em Capricórnio foi tão violenta que não foi suficiente a morte física de um corpo tido como ameaçador às estruturas sociais patriarcais, porque livre sexualmente e empoderado politicamente. Uma enxurrada de xingamentos, críticas e calúnias – a maioria deles com relação à aparência física, expressão sexual, origem social e aos posicionamentos políticos dela – foi despejada sobre o corpo inerte e sem vida de Marielle, que encarnou Lilith com todo o poder que o arquétipo poderia lhe conferir.

Sexualmente livre, autônoma, poderosa, inteligente, bonita, de origem pobre, negra: sua identidade representava muito mais transgressão do que Saturno e Plutão, incrustrados nos valores e na opinião pública brasileira, majoritariamente machista, poderiam suportar. Neste caso, o aborto proposto por Lilith não veio como possibilidade agressiva de escolha para corpos oprimidos: veio como interrupção violenta de um processo de vida e criação de novas identidades que prometia muitos frutos.

placa marielle

Embates, conflitos, reformas

Os três exemplos analisados demonstram as possibilidades de materialização trazidas pelo trânsito de Lilith em Capricórnio. É possível identificar neles a sombra e os aspectos mais destrutivos que um embate entre Lilith e Saturno pode trazer, ao mesmo tempo em que mostram possibilidades criativas que um encontro maduro entre ambos alcançaria. O trânsito de Lilith por Capricórnio teve sua amplitude elevada com a presença de Saturno, alçada a uma escala coletiva mundial, em ambas as situações descritas.

No caso nacional, o poder do masculino se impôs por meio da violência brutal, o que geralmente revela um desequilíbrio profundo entre feminino e masculino (Jacobs, 2008, p. 85). Já no caso irlandês, a concretização de direitos femininos promoveu o empoderamento de mulheres em uma sociedade altamente tradicional e patriarcal por meio de um discurso baseado nas qualidades do feminino representado por Lilith: empatia, sensibilidade, autonomia do corpo, respeito à sexualidade feminina, aceitação do prazer e da liberdade das mulheres.

O caso argentino é mais ambíguo. Assim como houve a possibilidade de empoderamento do feminino e de sua autonomia, a realização do debate de forma interna ao parlamento, com grande pressão da Igreja Católica – cuja maior autoridade é argentina, e a recusa do Senado à aprovação da mudança legislativa mostra o poder das estruturas saturninas em conduzir e formatar a opinião pública. A pressão das tensões inconscientes internas também se fez presente, ao destacar o debate sobre a adoção nos tempos (sombrios) da Ditadura Militar.

antonina-bukowska-142079-unsplash
Confrontar para transformar? Photo by Antonina Bukowska on Unsplash.

O confronto interno com Lilith pode fazer com que ela se transforme, ensina Hurwitz. O diálogo interno começa e o arquétipo perde um pouco da sua escuridão, compulsão e selvageria. Acredito que isso também aconteça no nível coletivo. A maturidade demandada por Capricórnio significa o distanciamento das motivações internas nos moldes cancerianos. Em outras palavras, demanda que o sujeito se descole de sua própria perspectiva emocional, dando um lugar objetivo para o outro em suas considerações. Esse movimento parece ter sido alcançado pelos coletivos irlandês e argentino, em alguma medida, ao buscarem a empatia e a negociação com o lado masculino, mas ainda parece longe de ser hegemônico no cenário brasileiro.

Reforço que uma relação construtiva entre os arquétipos de Saturno e Lilith pode levar à integração de duas dimensões essenciais da psique humana: o masculino disciplinador, que se interessa pelo crescimento, e o feminino selvagem, que ama a expressão criativa.

Ao mesmo tempo, se o consciente, seja coletivo ou individual, se nega ao esforço de reconstrução demandado por esse processo, persistindo numa perspectiva emocional de desintegração e oposição dessas duas dimensões da sombra, o resultado pode ser catastrófico para a própria psique. E também para a sociedade.

Referências

ARROYO, Stephen. Astrología, Karma y Transformación. Las dimensiones interiores del mapa natal. Buenos Aires: Editorial Kier, 2015. 3ª ed.

ENGELHARD, Suely. O renascer de Lilith. Junguiana. Revista Brasileira de Psicologia Analítica. Nº 15, dez. 1997, p. 28-41.

GREENE, Liz. Saturno. O Senhor do Karma. São Paulo: Pensamento, 1995. 10ª ed.

HURWITZ, Siegmund. Lilith – The first Eve. Historical and Psychological Aspects of the Dark Feminine. Zurich/ Switzerland: Daimon Verlag, 2012.

JACOBS, Tom. Lilith: Healing the Wild. GNU Free Documentation License, 2008.

JAY, Delphine Gloria. Interpreting Lilith. 5ª ed. Tempe/AZ: American Federation of Astrologers, 2010.

KOLTUV, Barbara Black. The Book of Lilith. Lake Worth/FL: Nicolas-Hays, 1986.

LISBOA, Cláudia. Os astros sempre nos acompanham. Um manual de Astrologia contemporânea. Rio de Janeiro: Best Seller, 2013.

SICUTERI, Roberto. LilithA Lua Negra. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1990.

TIERNEY, Bil. Las Doce Caras de Saturno. Buenos Aires: Editorial Kier, 1997.

WITT, Harriet. Saturn: A Heavy Burden or a Solid Base? The Mountain Astrologer. June/July 2016, p.16-19.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s